Promotor de Justiça veta abertura de boates na Festa de Andrequice, acampamento às margens do Rio também é proibido

Promotor Paulo Henrique Delicoli
Promotor Paulo Henrique Delicoli

A novela sobre o funcionamento de boates e congeneres durante a Festa de Nossa Senhora da Abadia, no povoado de Andrequice, área rural de Presidente Olegário teve mais um capítulo. Um Termo de Ajustamento de Conduta  – TAC – diz que no caso de boates  a Prefeitura tem que se abster de emitir o alvará.

O promotor de Justiça, Paulo Henrique Delicoli, representante do Ministério Público vetou o pedido de reconsideração para abertura de boates até às 2h da manhã, feita por uma Comissão Especial da Câmara Municipal de Presidente Olegário. Com a decisão as boates não serão abertas, já bares e barracas podem funcionarem até às 2h.

O pedido da Comissão foi feito ao promotor depois que um abaixo-assinado com 1,242 assinaturas pedindo a abertura das boates. No documento o promotor diz que o pedido foi indeferido devido a falta de estrutura do local e por inúmeras ocorrências policiais registradas durante o evento. “A festa é eminentemente de cunho religioso, de modo que os eventos paralelos não tem nenhuma relação com o evento”, disse o promotor.

Dr. Paulo Henrique Delicoli destacou na deliberação um homicídio de uma mulher ocorrido no dia 18 junho, na comunidade de Andrequice. “O homicídio de uma mulher é um mau presságio do que poderá ocorrer caso as boate venham a funcionar”, escreveu o promotor no documento.

O Pohoje solicitou da Polícia Militar as estatísticas de crimes violentos ocorridos no povoado de Andrequice nos últimos anos, durante a festa, até o fechamento da reportagem a solicitação não foi atendida.

O presidente da Comissão Especial, vereador Welson Braga, disse ao Pohoje que vai preparar um projeto de Lei para o próximo ano já que para este ano teve este TAC e o indeferimento do Ministério Público do pedido dos vereadores.

Essa área marcada de vermelho é onde as barracas poderão ser construídas
Essa área marcada de vermelho é onde as barracas poderão ser construídas

Proibição de acampamento às margens do Rio Andrequice.

O Termo de Ajustamento de Conduta  – TAC– também proíbe os romeiros de montar barracas às margens do Rio Andrequice, alegação é de preservar o meio ambiente. As margens do Rio próximo ao povoado será feita uma cerca de arrame pela Prefeitura.

Será destinado uma área entre o Rio e o Santuário de Nossa Senhora da Abadia para acampamento com barracas de romeiros. A Prefeitura terá que colocar 10 banheiros químicos para uso dos romeiros, além de disponibilizar um vigia para monitoramento no setor das barracas.

Clique aqui e leia o o indeferimento do promotor de Justiça

5 comentários em “Promotor de Justiça veta abertura de boates na Festa de Andrequice, acampamento às margens do Rio também é proibido

  1. Tragam um óscar para esse homem…
    Ao invés de fazer abaixo assinado pra festa, deveriam fazer pra cuidar da saúde, segurança, estradas, educação e muitas outras coisas de extrema importância para a população. Esses vereadores deveriam ter vergonha das condições da cidade, e tomar atitudes. Em relação à festa ela é religiosa, qual a necessidade de boates? Os responsáveis por elas deveriam promover eventos aqui na sede do município ou em outras épocas sem ser durante a festa religiosa.

    1. O fato de a população fazer um abaixo assinado defendendo seu direito ao lazer não quer dizer que a mesma população esteja abrindo mão dos seus outros direitos constitucionais. Um direito não tem que vir em detrimento do outro. E sobre a festa de Andrequicé ser de cunho somente religioso, só pensa isso quem nunca foi na festa ou falsos moralistas, ou seja, pessoas que deveriam se abster de dar opiniões a esse respeito.

  2. Concordo com o promotor e ainda acho que deveria extinguir pra sempre boates na festa de Nossa Senhora da Abadia porque a festa é religiosa e deve ser somente religiosa.sem boates

  3. O que a justiça determina deve ser acatado pelo cidadão, mas nem sempre ele concorda.

    Algo que me chama a atenção, é que o projeto foi elaborado, divulgado em site e redes sociais, antes de ser apresentado. Sem dúvida já era do conhecimento dos vereadores as reclamações, ainda mais com a divulgação do projeto, mas mesmo assim nem chegou a ser apresentado e votado. Só após a grande repercussão do baixo-assinado, que vários vereadores tomaram partido do projeto.
    Mas ai, aos dois anos e meio no cargo, com os bons salários que ganham pra representa a população. O que fazia todo esses vereadores que não sabiam sobre o funcionamento das boates? Já que vinha vários anos a restrição de horário, e que poderiam vindo propondo adequações de funcionamento. Será que não existiria interesse para as próximas eleições aí???
    Sem falar sobre as doações de lotes, canalização de água, colocação de energia… por candidatos a vereador e a prefeito nas eleições.

    Há coisas mais sérias a ser observadas, do que a diversão no período da festa. Acho um radicalismo proibir, sem ter proposto adequações que atendesse ao pedido das pessoas.

    Infelizmente essa será mais uma festa do município que irá acabar. Quem sabe que a partir de agora, consigam ressuscitar a Festa da Produção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *